As doenças de pele mais comuns no inverno

As baixas temperaturas que acompanham o inverno pedem cuidados redobrados com a pele. O inverno favorece o surgimento de inúmeras doenças, principalmente as dermatológicas. Algumas das doenças mais comuns são: alergias, psoríase, dermatites, eczemas, entre outras. Mas, você sabe porque elas surgem?

A oleosidade natural da pele, além de ajudar a proteger o corpo do frio, também protege contra a penetração de bactérias, poluentes do ar, fungos e vírus. No entanto, no inverno nosso corpo produz menos suor e a ativação das células que produzem o manto hidrolipídico da pele menor, além disso, tomamos banhos mais quentes que favorecem a diminuição da proteção natural da pele, que se torna mais seca e suscetível a doenças.

Conheça melhor as doenças mais comuns nesta época:

  • Dermatite atópica: é uma alergia crônica, muito comum em crianças, provocada por uma deficiência de hidratação do organismo. Ela provoca coceiras e lesões, que podem formar crostas e liberar secreções. Para evitá-la, é necessário passar longe de banhos muito quentes e o uso de buchas e sabonetes nas áreas afetadas.
  • Eczema: também é conhecida como “impinge” e pode ser provocada por alergias da pele ressecada que podem piorar com infecções bacterianas ou fungicas. Mesmo não sendo uma doença grave, ela causa muita coceira e diversas manchas brancas pelo corpo. É fundamental consultar um dermatologista para um tratamento específico.
  • Psoríase: é caracterizada pelo surgimento de placas avermelhadas com escamas grossas nos joelhos, cotovelos e no couro cabeludo. A causa da doença é genética, a psoríase é crônica, mas é durante o inverno que ela se agrava. Além do frio, banhos quentes e pouca hidratação também costumam intensificar a doença.
  • Dermatite seborreica: É caracterizada por placas avermelhadas e descamativas, ou descamação esbranquiçada no couro cabeludo, rosto e tórax. O tempo frio do inverno favorece o surgimento desta dermatite. A soma de banhos quentes, tempo seco e frio e, em muitos casos, fatores emocionais como o estresse, pioram o quadro seborreico. O tratamento da dermatite seborreica pode ser feito através da aplicação de medicamentos na pele e no couro cabeludo, desde que recomendados por um especialista que avalia a gravidade de cada caso.

Para prevenir que a pele fique desidratada e suscetível a doenças, vale apostar em hidratantes corporais à base de ureia, óleos vegetais e antioxidantes. Também é preferível um banho morno e a utilização de sabonetes neutros, pois são os que menos ressecam a pele.

É importante ressaltar que a consulta com o dermatologista é fundamental para identificar a doença e encontrar o tratamento correto. Evite a automedicação, pois tratamentos caseiros e remédios sem prescrição médica podem agravar ainda mais os sintomas.

Fonte: Bem Paraná e SBDC.

Leave a Reply

Your email address will not be published.